Wednesday, June 20, 2007

Circulos

Alto de S. Bento (Évora)


O Pedro Branco, guardião do santuário geológico do Alto de S. Bento, enviou-nos imagens de mais círculos, nas imediações dos moinhos: restos de mós reutilizadas num empedrado - memórias de tempos relativamente recentes - e um interessante esboço de pia circular, mais duas possíveis pias "disfarçadas" pelas ervas...

Quanto mais se olha...



Fragmentos de mós reutilizados


Possíveis pias integradas na paisagem


Esboço de pia?

Wednesday, June 13, 2007

Salvem o Porro, porra! Parte III

Novas imagens e informações sobre o povoado Neolítico do Porro (Évora) e o seu processo de destruição, actualmente em curso, a "bulldozer e dinamite", na pedreira do Monte das Flores.

Ver primeiro: * Salvem o Porro, porra! Parte I e Parte II

O afloramento do Porro. A poucas dezenas de metros encontra-se a nova frente de trabalhos da pedreira, daqui, apenas visível pela "barreira de terra" que se lhe adianta.

Importa realçar que a ultima fotografia é tirada a partir de uma das zonas onde foram registados abundantes vestígios à superfície, ainda em 2003, ano em o sitio foi identificado e os responsáveis pela pedreira informados da sua existência.

Aspecto da paisagem, poucas dezenas de metros mais abaixo...

Marcas recentes da amputação arqueológica levada a cabo no povoado do Porro.

Estractos arqueológicos em corte. Apesar das terras terem sido removidas daqui e o piso aplanado até ao filão geológico (para facilitar as futuras dinamitações), foi possível identificar inúmeros fragmentos de cerâmica manual nos cortes e nas pequenas bolsas de terra, espalhadas por toda a área, que aguardam ainda o transporte para a enorme "montanha", já referida.

A grande maioria dos materiais arqueológicos removidos durante este processo, devem encontrar-se neste caos estratigráfico que se acumula em pirâmide, escassas dezenas de metros para poente, perto do pequeno núcleo de arte rupestre do afloramento do Porro (provavelmente sob a forma de estratigrafia invertida, uma vez que as terras presentes na superfície deste monte são terras de geológico: as ultimas a serem removidas e aqui depositadas).

A destruição de uma possível estrutura negativa (fossa\fosso).

Os limites da "amputação" do sitio, até ao momento.

Alguns dos materiais de superfície, recolhidos em 2003
(Calado, Santos e Carvalho, 2004)

O futuro do povoado do Porro?

Salvem (ou escavem) o Porro, porra!

Friday, June 08, 2007

Rochas Antropomórficas e Paisagem Natural no povoado Megalítico das Murteiras (Évora)

Rochas Antropomórficas. Apenas alguns exemplos, entre as várias dezenas, que povoam as Murteiras.

Megalistmo Natural Alentejano

Abrigos e cavidades naturais

Obra assinada por vários artistas. Entre eles, destaca-se o "Tó Mix"

Báculo Natural

Tuesday, June 05, 2007

Flying over megaliths II


Manuel Calado e Mário Carvalho

(ver primeiro: Gema Blog - Flying over Megaliths)


Um breve passeio, aéreo e pedestre, efectuado nas proximidades do povoado Calcolitico com fossos do Monte do Albaredão (Évora), permitiu o registo fotográfico de alguns dos possíveis monumentos megalíticos, que ai foram, recentemente, identificados.

Pelo caminho foram registadas duas novas pedras com covinhas e um silhar (descontextualizado, junto a um casão), provavelmente oriundo de um dos sítios romanos\medievais das proximidades (dois, identificados até ao momento, na envolvente imediata).

Cartografia sobre fotografia aérea.

Junto ao possível menir nº1 foi registado um fragmento de mó manual (dormente), eventualmente utilizado como enchimento no seu alvéolo de implantação. É possível que este, a ter existido, tenha já sido totalmente destruído, provavelmente durante a abertura do caminho, cujo piso actual assenta, nesta zona, directamente sobre o substrato geológico. Na ultima fotografia é possível observar uma lasca de quartzito, com retoque marginal e patine, identificada junto ao possível monumento.

Possível fragmento de menir, identificado junto a um marouço, num dos sítios romanos.

Possível menir nº2. Bloco esguio e meniróide (embora anómalo quanto à sua morfologia), geologicamente diferente do pequeno afloramento onde terá sido, eventualmente, depositado em época recente.

Possível menir nº 3. Este enorme bloco, de forma meniróide, mede cerca de 4 metros, encontrando-se afastado dos afloramentos graníticos mais próximos. Os dados disponíveis não permitem uma conclusão segura relativamente à sua autenticidade enquanto monumento megalítico.
É no entanto um excelente candidato a fazer parte do escalão de "pesos pesados", dentro do conjunto de menires do concelho de Évora.
Apenas futuras escavações arqueológicas poderão confirmar ou excluir esta hipótese.

Painel com cerca de 50 covinhas, identificado durante a visita anterior.

Silhar, identificado junto a um casão, nas proximidades do Monte do Albaredão.

Possível sepultura proto megalítica e respectiva mamoa.

Afloramento com uma cama de polimento e algumas covinhas, junto à possível sepultura proto megalítica.

Pequenos blocos soltos de granito, bastante dicretos na paisagem, um dos quais ostentando cerca de duas dezenas de covinhas.

Paisagens naturais nos arredores do Monte do Albaredão


Flying Over Megaliths in Central Alentejo